fbpx

Próximo passo é firmar parcerias com uma cooperativa de catadores

A pesquisa sobre o uso de plástico na construção civil começou em 2016, durante um trabalho e conclusão de curso. O engenheiro recém formado e inventor Marcos Souza percebeu que se o plástico fosse submetido a uma determinada temperatura e pressão, teria potencial para apresentar características que se assemelham ao cascalho tradicional utilizado na indústria. Foi a partir dessa ideia original que o PCT Guamá apoiou e realizou o projeto. O coordenador do PCT, Rodrigo Reis conta, como tudo começou.

“A iniciativa para o desenvolvimento do projeto da casa sustentável surgiu a partir de um empresário que procurou o PCT Guamá”, afirmou.

Na escala piloto, os quatro mil tijolos utilizados na casa demoraram cerca de um mês para serem produzidos. A perspectiva é de que, nos próximos três meses, a empresa consiga implantar sua fábrica própria em Icoaraci. Com o sucesso do protótipo, o próximo passo é firmar parcerias com uma cooperativa de catadores, onde a fábrica vai funcionar. E também captar investimento privado. A estimativa é processar seis toneladas de plástico por dia, que dariam para produzir, pelo menos, oito milheiros de tijolos, segundo a empresa. O resultado deste empreendimento em particular deixou todos os envolvidos animados com as perspectivas e benefícios da novidade tecnológica, como revela o coordenador do PCT Guamá, Rodrigo Reis.

Além de dois quartos, um banheiro, sala, cozinha e área de serviço, os cerca de 40 m² da “casa sustentável” abrigam também muita tecnologia e inovação: os tijolos e pisos foram construídos a partir do reaproveitamento de plástico, vidro e rejeitos da mineração. Segundo a Amazon Recover, empresa idealizadora do projeto, o custo dos materiais foi 30% menor do que o utilizado nas construções tradicionais.

A casa representa a entrega final de um termo de fomento firmado entre governo do Pará, por meio da Fundação Amazônia de Amparo a Estudos e Pesquisas (Fapespa), responsável pelo financiamento da implantação do projeto; e a Fundação Guamá, responsável pela execução. O coordenador do PCT Guamá, Rodrigo Reis, revela como funciona as parcerias com o parque.

FONTE : Agência Brasil – Publicado em 06/10/2021 – 13:51 Por Cláudio Lobato – Repórter da Rede Cultura de Rádio – Belém