fbpx

Pilhas de esterco e moscas que fervilham fazem a Brother Farm no norte da China parecerem pouco notáveis à primeira vista, mas uma rápida olhada em sua instalação de ordenha sugere que não se trata de uma fazenda leiteira comum.

Quatro câmeras suspensas capturam uma imagem por segundo de vacas conforme elas chegam para serem ordenhadas. As fotos estão sendo usadas para desenvolver uma das tecnologias agrícolas mais avançadas da China.

“A inteligência artificial já é capaz de identificar rostos humanos. Agora, queremos ensinar à IA como identificar vacas”, disse Zhao Jinshi, fundador da Beijing Unitrace Tech, a empresa por trás da tecnologia.

Uma vez treinado, disse Zhao, o sistema alimentado por IA ajudará a monitorar o movimento de todas as vacas e alertará os produtores se um animal começar a se comportar de maneira estranha. Os funcionários das fazendas chinesas atualmente passam horas todos os dias andando pelos campos, tentando localizar vacas doentes entre os rebanhos.

Reconhecimento facial para gado é apenas uma das muitas tecnologias experimentais que Zhao e seus pares são pioneiros. À medida que os custos do trabalho sobem e a sociedade envelhece rapidamente, os agricultores em toda a China estão adotando soluções modernas para aumentar a produtividade dos métodos de seus ancestrais.

Câmeras acima dos cochos identificam cada vaca e registram quantas vezes ela se alimenta por dia.

Na região do extremo oeste de Xinjiang, os agricultores usam tratores autônomos para trabalhar 24 horas por dia e dispersar uniformemente as sementes em vastas áreas agrícolas. Os piscicultores da província de Zhejiang, na costa leste, instalaram sensores inteligentes para monitorar os níveis de oxigênio de suas lagoas e ajustar os suprimentos em tempo real.

As principais empresas de tecnologia da China veem a crescente demanda. Em novembro, a varejista on-line JD.com disse que estava trabalhando com universidades locais para “digitalizar práticas agrícolas tradicionais” e “fornecer planos de alimentação individualizados para suínos” por meio de análise habilitada pela IA.

Seu maior concorrente, o Alibaba Group Holding, executou projetos semelhantes. Em junho, o conglomerado alegou que sua tecnologia de reconhecimento de voz poderia detectar os grunhidos e gritos dos leitões que estavam com problemas, ajudando a minimizar os acidentes e reduzindo as mortes não naturais em 3%.

A agricultura é a última área em que a IA e outras tecnologias estão transformando o país. Tendo confiado anteriormente em mão de obra barata para competir com os fabricantes ocidentais, as empresas agora buscam a automação para ajudar a manter sua vantagem de custo. Todos os anos desde 2013, as fábricas chinesas instalaram mais robôs industriais do que suas concorrentes em qualquer outro país.

Os hospitais chineses estão adotando cada vez mais a IA para lidar com a escassez de mão-de-obra, por exemplo, para ler mais exames de tomografia computadorizada com maior grau de precisão.

Observadores do mercado dizem que a integração entre tecnologia e agricultura será a próxima grande novidade.

“Esta é certamente uma tendência emergente”, disse Victor Ai, diretor da China Everbright, um grupo de capital de risco com sede em Pequim. “Como os custos trabalhistas na China aumentaram significativamente, as empresas agrícolas não têm escolha a não ser aumentar a eficiência. Isso requer o uso de alta tecnologia”.

Ai, cujos investimentos anteriores incluem a SenseTime, unicórnio da IA, e a fabricante de carros elétricos Nio, listada em Nova York, disse que startups de tecnologia que atendem a setores tradicionais como a agricultura se tornaram prioridade em sua lista de observação.

“Acreditamos que o próximo unicórnio da China virá de lá”, disse ele.

Zhao, que fundou a Beijing Unitrace Tech em 2009, não foi motivado a desenvolver a agritech local pela perspectiva de recompensa financeira, mas por uma missão pessoal de fomentar a agricultura em seu país.

O nativo de Shanxi, de 37 anos, nasceu em uma família veterinária e cresceu lendo revistas de gado. Depois de testemunhar como o software de gerenciamento havia simplificado a produção nas fazendas de gado americanas durante seu tempo na Universidade de Cornell, Zhao decidiu levar serviços similares aos produtores chineses.

Hoje, ele afirma que sua empresa fornece serviços de gerenciamento baseados em nuvem para quase dois terços das fazendas de gado no país. Com a tecnologia de reconhecimento facial entrando nas cidades chinesas, Zhao percebeu outra oportunidade.

“A maioria das fazendas de gado na China tem pelo menos mil vacas. É impossível ficar de olho em cada uma delas”, disse Zhao. Muitas vezes, quando os produtores identificam um animal doente, é tarde demais ou muito caro para tratá-lo.

Um sistema alimentado por IA monitorará todas as vacas e alertará os produtores se um animal começar a se comportar de maneira estranha.

O sistema desenvolvido por Zhao e sua equipe funciona identificando cada vaca através de câmeras acima dos vales e registrando quantas vezes ela se alimenta por dia. Este dado, juntamente com os dados coletados do quanto elas bebem, ordenha e outras atividades, entra em uma plataforma on-line que compara as informações com dados históricos e analisa a saúde do animal.

Se o sistema detectar uma alteração suspeita, ele enviará um alerta para uma inspeção adicional.

A empresa, que construiu sua solução em uma estrutura de aprendizado de máquina de código aberto desenvolvida pelo Google, testou cinco algoritmos usando dezenas de milhares de fotos geradas a partir de fazendas de gado chinesas antes de determinar uma adequada. No entanto, Zhao insiste que a tecnologia permanece em seu estágio infantil.

Por exemplo, o sistema pode identificar vacas com uma taxa de precisão de 90% quando os animais estão se alimentando, mas é menos bem sucedido quando estão bebendo água.

Ainda assim, muitos produtores como Zhang Jiangshui estão dispostos a experimentá-lo. O proprietário da fazenda Brother, na província de Hebei, uma das regiões mais pobres do país, está tão consciente dos custos que cultiva rabanetes em vez de flores fora de seu escritório.

Quando ele ouviu falar sobre a tecnologia de reconhecimento facial de um amigo no ano passado, ele gastou várias centenas de dólares para comprar câmeras e instalações de retrofit para participar do piloto. A força motriz, ele disse, era o setor agrícola em rápida mudança da China.

Nos últimos anos, muitas operações de pequena escala deram lugar a grandes fazendas comerciais de gado, à medida que Pequim pressionou pela industrialização do setor em busca de economias de escala e controles mais rígidos sobre a poluição.

“Quando um fazendeiro cuidava de 10 vacas, ele podia cuidar bem de cada uma”, disse Zhang. “Hoje, um fazendeiro tem que cuidar de pelo menos 70 vacas, e a carga de trabalho está simplesmente além de sua capacidade.”

Mas contratar mais mãos não é uma opção. O salário médio na vila de Zhang quase dobrou nos últimos cinco anos, e a China rural, como o resto do país, tem uma população que está envelhecendo. Poucos dos jovens trabalhadores restantes sonham em suar em um campo.

“Acredito que a produção agrícola é a única maneira de avançarmos”, disse Zhang.

Os pedidos de produtos da Zhao estão sendo encontrados em indústrias periféricas. A Haier Financial Holdings, um braço da fabricante de eletrodomésticos de Hong Kong, recentemente adotou o sistema em duas fazendas na região de Ningxia, onde a empresa cuida do gado que foi tomado como garantia para empréstimos.

Como parte de seus procedimentos de controle de risco, a empresa geralmente envia equipes para milhares de fazendas espalhadas pela China para inspecionar o gado, disse Lin Jin, chefe da unidade de agricultura da empresa. Mas se os pilotos do sistema forem bem, Lin disse que sua equipe pode monitorar as vacas remotamente em vez de visitar as fazendas a cada três meses.

“O uso de IA e Big Data também ajudará os fazendeiros a melhorar a eficiência da produção”, disse Lin. “Uma vez que nossos clientes se tornam mais lucrativos, eles são mais propensos a pagar seus empréstimos.”

Mas para aqueles que não têm apoio de grandes empresas, a implantação da agritech continua sendo um desafio, disse Jan Hinrichs, economista do Banco Asiático de Desenvolvimento em Manila. Sensores inteligentes e outros equipamentos de alta tecnologia carregam um preço, e nem todo fazendeiro na China pode arcar com o investimento inicial, disse ele.

Os obstáculos técnicos também são um problema, especialmente para a geração mais velha, assim como a aplicação de trabalho de laboratório no mundo real, acrescentou ele.

Até agora, o piloto de nove meses levantou vários problemas inesperados. Depois de instalar as câmeras na instalação de ordenha, Zhao percebeu que, mesmo que seu sistema identificasse as vacas corretamente, a câmera poderia capturar o rosto errado, já que as vacas tendem a balançar a cabeça. A empresa está ensinando a IA como identificar as costas de uma vaca também.

Embora ainda não tenha feito uma diferença significativa para sua operação, Zhang continua confiante.

“Afinal, o reconhecimento facial já foi amplamente usado em seres humanos. Quão difícil pode ser identificar vacas?”

Fonte: Nikkei Inc., traduzida e adaptada pela Equipe BeefPoint.

This post was published on 28 de janeiro de 2019

By rt360