fbpx

Agora é a hora dos líderes de TI capitalizarem o impulso alcançado este ano para que eles liderem seus negócios no futuro.

*Nilton Hayashi

Para muitos líderes de TI, 2020 pareceu uma década inteira. Se a necessidade é a mãe da invenção, então durante este tempo desafiador, muitos CIOs foram pressionados a alcançar mais do que eles pensavam que era possível. Eles permitiram que toda a força de trabalho atuasse remotamente, colocando em prática os sistemas e ferramentas que lhes permitiam ser produtivos de suas casas.

A pandemia trouxe consigo um necessário processo de democratização das decisões de TI. Foi essencial aumentar a autonomia dos usuários e lançar mão de uma forte aceleração no processo educacional e para a criação de um sentimento de “pertencer” junto aos colaboradores para que lutassem contra a explosão da chamada “Shadow IT”.

O caminho para a cibersegurança que sempre foi de verticalização, hoje, às vésperas do pós-pandemia, é de uma jornada de colaboração. Um estudo lançado em maio/2021 pela consultoria Gartner revela que os gastos mundiais com tecnologias para segurança da informação e serviços de gerenciamento de risco devem crescer 12,4% em 2021, chegando a US$ 150,4 bilhões. O número representa uma nova alta, uma vez que os gastos com segurança e gerenciamento de risco cresceram 6,4% em 2020.

Para surpresa de todos, principalmente de executivos e lideranças, o trabalho remoto aumentou a produtividade. Segundo recente pesquisa do Gartner, realizada com mais de 10 mil funcionários de mais de 100 empresas, cujo tempo de trabalho em casa aumentou desde janeiro de 2020, mostra que 36% destes relataram aumento em seu desempenho. A flexibilidade na jornada de trabalho foi o fator mais citado para maior produtividade, selecionado por 43% dos entrevistados. Até 2023, a previsão do Gartner é que 40% das empresas experimentem uma mistura entre físico e virtual, o que garante aumentar a performance da força do trabalho e os resultados.

Os líderes de TI deram uma resposta pandêmica eficaz. Foi um ano em que o retorno do investimento, o chamado ROI, de muitas soluções foi potencialmente abreviados e muitos investimentos foram transformados de Capex em Opex e, com certeza, não olharão mais para trás. Agora é a hora de aproveitar o “momentum” e otimizar suas infraestruturas como um todo e garantir que ele esteja pronto para entregar as demandas futuras do negócio.

Este último ano nos ensinou lições valiosas: as empresas precisam ser altamente adaptáveis para responder à incerteza contínua e mudar rapidamente as expectativas. Agora é a hora dos líderes de TI capitalizarem o impulso alcançado este ano para que eles liderem seus negócios no futuro.

*diretor de Serviços Digitais da Fujitsu do Brasil

By rt360