fbpx

A Cisco publicou seu Novo Padrão de Confiança (New Trust Standard), uma referência para avaliar a confiabilidade de uma organização à medida que a transformação digital é adotada. Essa nova estrutura aumenta o nível de confiança dos clientes conforme o trabalho se torna híbrido, mais dados são coletados online e as ameaças cibernéticas aumentam. Com dados de apoio da Pesquisa de Privacidade do Consumidor Cisco de 2021 (Cisco 2021 Consumer Privacy Survey), o Novo Padrão de Confiança estabelece os seguintes elementos essenciais para que as organizações ganhem, mantenham e aumentem a confiança do cliente: 

  • Arquitetura Zero-Trust: Manter os invasores afastados, contestando suposições e verificando todas as conexões, de todos os dispositivos, sempre.
  • Cadeia de fornecimento confiável: Estar ciente de cada componente, como ele é fabricado e onde esteve – enquanto trabalha em estreita colaboração com os fornecedores para reduzir o risco.
  • Direitos sobre os dados: Estar um passo à frente da evolução das expectativas do cliente e das regulamentações governamentais 
  • Transparência: Ser claro sobre quais dados são coletados e como são usados; ser honesto sobre incidentes e problemas conforme eles acontecem; e divulgar o que está sendo feito para corrigir.
  • Certificações e conformidade regulatória: Demonstrar compromisso com os clientes ao obter certificações confiáveis concedidas por auditores independentes terceirizados.

“A confiança é mais do que um sentimento”, disse Anthony Grieco, Diretor de Segurança da Informação da Cisco. “As empresas digitais precisam ter a capacidade de verificar a confiança e a resiliência de suas soluções, operações e ações. Essa estrutura nos ajuda a entender os pilares fundamentais em um processo que torna a confiança quantificável”.   

No contexto da economia digital de hoje, esses elementos são essenciais para aumentar a confiança do consumidor. De acordo com a Pesquisa de Privacidade do Consumidor Cisco de 2021, que contou com 2.600 entrevistados em 12 países (incluindo o Brasil), os consumidores têm um desejo claro por transparência e controle em relação às práticas de dados de uma empresa. Outros destaques da pesquisa incluem:

  • “Ativos de privacidade”: quase um terço dos consumidores assumiu um papel mais ativo na proteção de sua privacidade, incluindo deixar as organizações por causa de suas práticas ou políticas de dados.
  • Regulamentações de privacidade: as leis são consideradas muito positivas em todo o mundo, embora a conscientização permaneça relativamente baixa em muitos países. No Brasil, 63% dos pesquisados avaliam a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) como positiva. No entanto, somente 37% tem conhecimento sobre a LGPD no país.  
  • Proteções durante a pandemia: a maioria das pessoas deseja pouca ou nenhuma redução nas proteções de privacidade, ao mesmo tempo que apoia amplas medidas de saúde pública.
  • Inteligência artificial: os consumidores estão muito preocupados com o uso de seus dados pessoais na tomada de decisões de IA, e sua confiança está em jogo. Entre os entrevistados no Brasil, 45% indicaram uma perda de confiança dos casos de uso de IA.

“A privacidade é a base da confiança”, disse Harvey Jang, diretor de privacidade da Cisco. “Transparência, clareza e controle são essenciais para construir e manter a confiança do consumidor.”

Sobre a Cisco 

A Cisco (NASDAQ: CSCO) é líder mundial em tecnologia para a Internet. A Cisco inspira novas possibilidades ao reinventar suas aplicações, proteger seus dados, transformar sua infraestrutura e capacitar suas equipes para um futuro global e inclusivo. Descubra mais em http://newsroom.cisco.com/. Para notícias em português, acesse: https://news-blogs.cisco.com/americas/pt/  e siga-nos no Twitter em @CiscoDoBrasil. Saiba mais sobre o Cisco Brasil Digital e Inclusivo neste link

By rt360