fbpx

Cibersegurança: como se proteger num mundo conectado

A hiperconexão abriu o caminho para crimes e golpes antes inimagináveis. Na verdade, ainda hoje, com toda a informação disponível sobre cibersegurança, existem muitas pessoas que não têm consciência dos perigos que “navegam” na internet. Na maioria das vezes é difícil compreender que alguém pode invadir sua rede de internet e roubar seus dados bancários, por exemplo, sem você nem ao menos desconfiar que tem algo de errado ou ter contato com o invasor.

Mas isso acontece e não é pouco: o Brasil é o segundo país com mais casos de cibercrimes no mundo. Cerca de 62 milhões de pessoas já foram afetadas por esse tipo de delito, gerando um prejuízo de mais de US$ 22 bilhões, de acordo com uma pesquisa do Norton Cyber Security.

Em um ambiente que existe ainda mais conexão, como nos propõe o conceito de internet das coisas (ou Internet of Things, IoT), esse cenário tende a ser ainda pior. Com geladeiras, lâmpadas, câmeras de segurança, assistentes pessoais e outros objetos conectados à internet, a porta de entrada para os bandidos é amplificada.

Um estudo com dados sobre as principais ciberameaças do mundo, elenca ataques por meio de IoT como um dos principais pontos de atenção. O principal alerta apontado na pesquisa é que os malwares focados nesse tipo de tecnologia tendem a evoluir, tornando-se mais perigosos e sofisticados.

Os sistemas de segurança, porém, devem superar essa evolução. Muitas empresas, inclusive, contratam hackers para tentar invadir seus sistemas a fim de identificar vulnerabilidades e corrigi-las antes que pessoas mal intencionadas usem a brecha para fins ilícitos.

Como a falta de cibersegurança pode prejudicar

Existem diferentes formas de golpes por meio da internet. A maioria dos sites e aplicativos têm termos de privacidade e pedem aos usuários que concedam acesso a diversos dados. Aceitar essas condições – geralmente sem sequer ler – pode ser arriscado, uma vez que pessoas mal intencionadas podem obter informações sobre o comportamento dos usuários e lucrar vendendo-as para segmentação publicitária, grandes indústrias ou qualquer outra instituição que tenha interesse.

A Cambridge Analytica é o caso mais famoso de venda de dados — informações identificáveis de usuários do Facebook foram vendidas para empresas que influenciavam a opinião de eleitores em votações de diversos países. Mas a verdade é que não sabemos ao certo ainda quais outros riscos corremos ao termos nossos dados utilizados sem nossa autorização. Isso porque esse tipo de crime ainda é considerado muito novo.

É possível também que os hackers controlem os objetos conectados, oferecendo risco ao usuário. Esse, inclusive, é um dos maiores medos quando se fala em carros autônomos: caso o sistema seja invadido e alguém possa controlar o veículo, ele se torna uma arma.

Mas não é preciso ir tão longe na evolução tecnológica. Hoje, se o sistema de câmeras conectadas de uma empresa for invadido, por exemplo, além de ter acesso ao que acontece dentro do ambiente, os criminosos conseguem desativar o sistema de segurança e se aproveitar da brecha.

O cibercrime mais comum, no entanto, é o roubo de informações sensíveis em busca de uma recompensa direta. Sequestro de número, fotos, crimes envolvendo fraudes bancárias são corriqueiros e geram um prejuízo bastante grande. Com o avançar da 5G e a entrada de mais dispositivos nessa rede, a tendência é que crimes como esse se tornem ainda mais comuns.

É pensando nesses pontos vulneráveis que as empresas desenvolvedoras de tecnologia, seja software ou hardware, buscam implementar cada vez mais camadas de segurança, para estar sempre um passo à frente dos eventuais invasores. Ainda assim, é importante que os usuários tenham maior consciência e cuidado ao utilizar soluções que estão conectadas à internet, adquirindo bons hábitos que ajudem a reforçar a segurança e, consequentemente, trazendo mais tranquilidade para aproveitar todos os benefícios que a tecnologia proporciona.

ciberseguranca-familia

Se proteja com cibersegurança

Para se proteger dessas situações e evitar que o avanço de tecnologias como IoT e 5G se tornem um problema, algumas medidas simples podem ser tomadas, confira:

  • Não use a mesma senha para todos os dispositivos e nem códigos simples como ABCDE ou 12345 ou admin;
  • Use senhas fortes em seu roteador, principalmente a senha de login e a senha da rede Wi-Fi. De preferência, altere essas senhas periodicamente. Como a maioria dos objetos estão conectados a ele, o aparelho se torna um alvo;
  • Habilite a verificação em duas etapas em todos os logins possíveis: isso dificulta que roubem sua conta do e-mail ou WhatsApp, por exemplo;
  • Use equipamentos confiáveis: marcas preocupadas com a segurança do usuário tendem a fazer dispositivos com sistemas nativos de segurança mais eficientes;
  • Atualize periodicamente seus dispositivos: as empresas estão sempre melhorando seus sistemas de segurança, esteja atualizado e protegido de um maior número de crimes;
  • Utilize recursos úteis do seu roteador, como a rede para visitantes: crie uma “rededochurras”, somente para as pessoas utilizarem enquanto está tendo um churrasco na sua casa. Também há outros recursos, como visualizar quem está conectado ao roteador, o que permite que você identifique facilmente se há algum intruso com acesso à sua rede;
  • Tenha sempre cuidado com arquivos e links recebidos de terceiros. Antes de abri-los, verifique se realmente são seguros;
  • Não instale aplicativos em seu celular que não estejam nas lojas oficiais;
  • Ao instalar aplicativos em seu celular, verifique se as permissões solicitadas pelo app são somente as estritamente necessárias para o seu funcionamento;
  • Antes de aceitar os termos de uso e privacidade de um software, leia com atenção as informações expostas e, em caso de dúvida ou discordância, recuse e notifique o desenvolvedor.

Fonte: Intelbras

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *