fbpx

Levantamento feito pela GeekHunter mostra ainda que a demanda maior é por profissionais com dois a seis anos de carreira – houve aumento de 344% na procura

Diante da falta de profissionais de tecnologia para suprir a demanda do mercado, as empresas estão mudando suas estratégias de contratação, abrindo mais oportunidades para perfis com menos experiência.

Pesquisa realizada pela GeekHunter, marketplace especializado no recrutamento de profissionais de TI, mostra que houve um aumento de 173% nas oportunidades em tecnologia para profissionais juniores, com até dois anos de experiência. Para os plenos, que têm entre dois a seis anos de carreira, o crescimento é ainda maior, de 344%.

As vagas para desenvolvedores mais experientes, com mais de seis anos de carreira, que eram o maior foco na plataforma em 2020, tiveram um aumento menor em 2021, de 131%.

A pesquisa foi feita com base na procura de mais de 400 empresas que estão contratando pela plataforma da GeekHunter, de um total de 10 mil companhias cadastradas.

Demanda setorial

O levantamento mostrou ainda que o mercado de tecnologia continua à frente de outros setores na oferta de empregos no Brasil. O crescimento na abertura de vagas na área no primeiro semestre de 2021 foi de 185%, em comparação ao mesmo período do ano passado.

O maior aumento foi na área de Data Science, que teve alta de 500% no número de vagas. O profissional, responsável por interpretar e analisar dados, está cada vez mais demandado pelas companhias. Para pessoas desenvolvedoras de software, houve alta de 178%.

Atualmente, a GeekHunter possui mais de 1 mil vagas abertas e, entre as áreas de atuação de desenvolvimento de software e aplicações, a maior quantidade de oportunidades é com foco em back-end, com quase metade das posições, full stack e front-end. Já as linguagens e tecnologias mais demandadas, as principais são: Java, JavaScript, React, Node.js, PHP, Python e Angular.

Mudanças na contratação

Se por um lado a demanda cresceu, por outro a oferta de profissionais qualificados ainda é escassa. Tomás Ferrari, presidente e fundador da GeekHunter, avalia que esse resultado já era desbalanceado antes mesmo da pandemia, mas depois o problema se acentuou.

“Antes era natural que empresas de tecnologia demandassem equipes próprias de programadores. Mas hoje, com o distanciamento social e trabalho remoto, muitas companhias de setores tradicionais precisaram se digitalizar e investir em mão de obra para ajudar nessa transformação digital”, disse Ferrari.

O executivo aponta que a contratação de profissionais pleno e sênior é desafiadora hoje em dia e o jeito encontrado tem sido abrir vagas para quem tem pouca experiência.

“A consequência disso é que ficam vagas abertas e projetos demorando para serem entregues. Mas cada vez mais as empresas estão mudando a forma de agir quanto à contratação, percebendo qual profissional está aberto para as oportunidades e direcionando os esforços para ajudá-lo no desenvolvimento”, diz Ferrari.

Modalidades de trabalho

Sobre a modalidade de trabalho, a GeekHunter identificou que, ao fim do primeiro semestre, 88% das oportunidades aceitavam trabalho remoto, contra 33% no primeiro semestre de 2020. Ou seja, a maioria das vagas na plataforma é para o modelo híbrido (presencial e remoto) ou totalmente remoto.

“Mesmo com o avanço da vacinação e o fim da pandemia, a modalidade de trabalho remoto e, principalmente híbrido, veio para ficar. Agora não se trata mais de contratação local, a contratação é global e a decisão não é mais da empresa e sim do candidato, que escolhe o que é melhor para ele. As empresas precisam se adaptar a isso”, avalia Ferrari.

Já no modelo presencial, as capitais que concentram o maior número de oportunidades são São Paulo (SP), mas também na grande Campinas, Florianópolis (SC), Rio de Janeiro (RJ), Curitiba (PR) e Porto Alegre (RS).

FONTE: Valor Investe