O Mundo é IP* e agora…?

por Marco Barnaba

Em fevereiro de 2014, assim que fui contratado pela Handphone Telecomunicações, tive a missão de abrir uma rede de canais de vendas indiretas (rede de revendedores) e montar um evento para 120 pessoas para divulgação de um modelo de IPBX de nome XHand.

Não tinha idéia de como atrair novos revendedores, nem como anunciar ao mercado que era um novo desenvolvedor de soluções em software e hardware muito atrevido para os padrões sistemáticos da telefonia, e nem como iria realmente despertar a atenção de um público acostumado a muito mais do mesmo.

Foi aí que veio a genial sacada da chamada “O Mundo é IP e agora…?”

A maioria dos revendedores de telecom, isso desde os meados dos anos 2000, tentavam se convencer de dois cenários: Convergência de tecnologia e o tal do “IP”; afinal das contas quem estava convergindo para o quê? Juntamente com o brado… “O mundo será IP em mais dois ou três anos…” E todo mundo fingia que sabia, sem ter certeza de nada. 

Bem… assim se passaram, mais dois ou três anos, e depois de dois em dois foram se passando os anos… os cabos continuavam os mesmos, os preços não baixavam (só subiam!) e a pergunta nunca se calava: quando esse IP ia entrar em ação?

Os clientes não se convenciam dessa mudança brusca de tecnologia que se iniciava pela sua própria rede, afinal precisava mudar tudo: cabos, infraestrutura de rede, pabx e os aparelhos que deveriam ser próprios para esse uso e com um precinho pra lá de especial, tudo muito alto e ainda inacessível para o clero baixo da telefonia (com exceção das grandes operadoras de telecom).

E onde a pergunta do título do evento entra nisso tudo? Oras, é simples, todo mundo queria usar o IP, sabia que o mundo de telecom ia mudar radicalmente, mas, no fundo, como  aplicaríamos isso tudo? Era a dúvida que seria sanada ali, naquele momento.

Foi simples, mostramos que o grande problema é que o mundo já era IP e ninguém tinha se tocado!  Pois, a cada dia usavam-se mais dentro dos bolsos um aparelhinho muito inteligente e cheio de recursos: O Smartphone. Com ele acessávamos nossos e-mails, mandávamos mensagens, fotografávamos, comprávamos, escutávamos música e até tínhamos rede social, entre outras coisas… Por que no passado se hoje fazemos tudo isso e muito mais? Simplesmente porque o IP, era e é, o principal protocolo usado nas redes de dados, sejam externas ou internas,  os dados são empacotados numa ponta e desempacotados na outra e é ele que permite toda essa imensa, intensa e ininterrupta troca de informações entre pessoas, empresas e seus dispositivos, pois sem o endereço completo ninguém conseguiria entregar encomenda nenhuma. Imagine a quantidade de dispositivos que existem hoje todos conectados por redes de dados, internet, todos precisam literalmente saber onde o outro está, senão como entregaríamos os pacotes?

O mundo deixou de ser lento, estático, quadrado e sem graça, para passar a ser rápido, dinâmico e com aplicações que vão desde um simples joguinho a medições de altíssima precisão, com armazenagem de dados de um garoto de 10 anos ao presidente de um país.

E a tal da Convergência? Foi de dados para telecom e nunca ao contrário… redes de dados proporcionam passar voz também, é só mais um pacotinho! E assim hoje meus amigos, os analógicos e digitais passarão para lógicos; e o físico passará ao virtual. Hoje em dia basta o receptor;  o meio pouco importa, pois ele se encontra mesmo é nas nuvens…. 😉

E a pergunta que não quer calar: E o evento? 

Ah! O evento bombou! Foi um sucesso e no final todo viu que o mundo já era IP, bastava aplicar.

*IP (Internet Protocol): é a identificação única de cada dispositivo conectado numa rede, externa ou interna. Fazendo analogia, uma espécie de CPF de cada um deles.

**Evento da Handphone (O Mundo é IP… e agora?) foi em 23/09/2014 no Espaço Fit na Rua Peixoto Gomide

por Marco Barnaba

Especialista no mercado Telecom de Operadoras e Distribuidoras, empresário e gestor comercial. LinkedIn: https://www.linkedin.com/in/marco-a-barnaba-18952323/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *